ALAORPOETA

ALAORPOETA

17 janeiro 2015

A COLISÃO TRÁGICA DE MUNDOS NÃO SINCRÔNICOS



















Assentado na terra em louvação da Pátria, 
um naco de céu reluz dois olhos azuis;
era Mártir! como lhe jurara a Madrasta.
- Ó Verdade! traga logo a ele sua luz.

De súbito um ruído de asas pousou
sobre o peito do soldado e acampou estátua.
- Alguém aí? sabe que à espera estou,
já não nutre mais serviço esta carne fátua.

Perdera um dos braços, a boca sangrava...
- Profeta! que tanta demora que me mata?
Mas o silêncio comia o seu coração.

- Ó Misericórdia! por que perder antes a alma
aos olhos? Alguém aí que agora me salva?
Um canto cuspiu no prato: - Sem compaixão.

Alaor Tristante Júnior

ILustração: imagem do Google

01 janeiro 2015

de peito aberto

























pois onde há um gemido
     de luz
                  nós somos lidos

         baba-se no olho cego
                            árido de lágrimas

                      irracionais rios
       banham rugas em arco-íris
                               querubins transam
                 prostitutas negras
                               pálidas de céu

bicos de seios são verrugas

                        basta um olho
                no escuro
                                       mil olhos
                           engendram as trevas

anjos autênticos curam milagres
poetas de cristo ignoram a coragem
                                     das batalhas
e mijam ladainhas pelos cômodos
                      SILÊNCIO!

enquanto a Vida expiar
                as mágoas do altíssimo
baba-se no olho cego
                        onde houver um gemido
sobrevoam-se águias

                   AVANTE! POESIA!
                  não há mais trincheiras
                  a beleza está em guerra

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Antònio Pedro