ALAORPOETA

ALAORPOETA

26 setembro 2015

COTIDIANO DA VIDA MOLE


























          Estou limitado ao norte
pela preguiça
             ao sul pelas partes baixas
                             do sexo
ao leste pela finitude
                                   que se arrasta
                ao oeste
        pelos filmes de bang-bang

          Há também um emprego público
                      que não tem lado
                      e me confunde
           uma viagem de férias para a praia
                       um mercado por fazer
        e na minha cama
                            bem real
                   um convite cor de chocolate

                       Estou limitado pelo sol
meus sonhos são elefantes com asas de cera
                             de abelha
                 enquanto a formiguinha da vida
        brinca de cobra-cega na selva
                              de preguiça ao norte
pelo sexo do sul
                                       para a finitude do leste

          Vou para oeste ganhar a vida
                         que lá tem fantasia
o motorista do ônibus morre
                  dormindo tranquilo
enquanto quarenta passageiros
                              morrem gritando
          A beleza da lua depende
                              da minha demência

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: "A estrada da vida", pintura de Hieronymus Bosch

24 março 2015

O ÚLTIMO KAMA SUTRA SERÁ NO MATO




















Lá vou eu ferro-velho de cidade-muralha-ideológica
                quando o primeiro bem-te-vi
              pousar no fio e voar eletrocutado
quando a fumaça de carros-deuses da luxúria
          abalroarem os primeiros palavrões
                     nos semáforos-chifres
estarei longe a galope com exu-pés-de-vento
desnudo dos abadás da civilização de mortos-vivos
   no cume do horizonte dos piratas aposentados
                               farei amor
                 como uma cobra enlouquecida
              à vista de estrelas verdes pastando
                     cansadas do céu-mentira
Lá vou eu penduricalho gasto de cidade-enfeite
                a manhã serpenteia me chama
    Ossain já preparou o sangue-fel de amora
vou transar com a lua penteando meus cabelos
                  como um urubu-rei
              do império da decadência

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Max Ernst (1938)

16 fevereiro 2015

ANSIEDADE




















O ônibus descia a rampa de tronco de árvore.
Saída de um conto de Gabriel García Márquez
Frau Frida no banco de águas frias sonhava.

Podia-se ver dali quase o ponto de chegada.
O chofer com o ônibus em movimento saltava.
O amor de Frau Frida puxava-a pelas janelas

embaçadas folhas e oceanos rodopiavam.
Dois pneus furados foram trocados por goiabas.
Frau Frida queria dormir porque trabalhava

mas exausta se perdia nos fios de Ariadne.
Tinha de pular cedo da cama e nunca chegava.
A um mísero quarteirão jorrava um rio de suas mãos.

Sem ponte foram improvisadas aves inidôneas.
Acordei: meus filhos eram raptados por cegonhas.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Jeff Wrench

17 janeiro 2015

A COLISÃO TRÁGICA DE MUNDOS NÃO SINCRÔNICOS



















Assentado na terra em louvação da Pátria, 
um naco de céu reluz dois olhos azuis;
era Mártir! como lhe jurara a Madrasta.
- Ó Verdade! traga logo a ele sua luz.

De súbito um ruído de asas pousou
sobre o peito do soldado e acampou estátua.
- Alguém aí? sabe que à espera estou,
já não nutre mais serviço esta carne fátua.

Perdera um dos braços, a boca sangrava...
- Profeta! que tanta demora que me mata?
Mas o silêncio comia o seu coração.

- Ó Misericórdia! por que perder antes a alma
aos olhos? Alguém aí que agora me salva?
Um canto cuspiu no prato: - Sem compaixão.

Alaor Tristante Júnior

ILustração: imagem do Google

01 janeiro 2015

de peito aberto

























pois onde há um gemido
     de luz
                  nós somos lidos

         baba-se no olho cego
                            árido de lágrimas

                      irracionais rios
       banham rugas em arco-íris
                               querubins transam
                 prostitutas negras
                               pálidas de céu

bicos de seios são verrugas

                        basta um olho
                no escuro
                                       mil olhos
                           engendram as trevas

anjos autênticos curam milagres
poetas de cristo ignoram a coragem
                                     das batalhas
e mijam ladainhas pelos cômodos
                      SILÊNCIO!

enquanto a Vida expiar
                as mágoas do altíssimo
baba-se no olho cego
                        onde houver um gemido
sobrevoam-se águias

                   AVANTE! POESIA!
                  não há mais trincheiras
                  a beleza está em guerra

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Antònio Pedro