ALAORPOETA

ALAORPOETA

24 novembro 2012

AUGÚRIOS DE PEDRA



















Há um leão-marinho
                    trepando-me
(seu único olho comprova)
quando fui gente
não sabia que seria
                          uma pedra
lambida pelas águas
de ondas de lua do mar.
Se escorria pelos vãos
            pétreos
                         do destino
um felino
                   me aguardava.
A sorte foi que me fiz
                         pesadas
                         lágrimas
                         de rocha
que teimava em se
                                revelar
                                viva
pelos cílios (ou matos capins
                            braquiárias)
                    volúpias
que cresciam por todo o
                             corpo.
Passei a existência
tentando descobrir o
                                 branco
no preto do meu chapéu.
Até que um dia as águas
me cobriram para sempre
      xuá... xuá... xuá...
dei à luz ébrias conchinhas
         e o leão-marinho
             pediu DNA.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do GOOGLE

21 novembro 2012

O AMOR DE SCHOPENHAUER



















Na célula de solidão
a cama tão grande
dispensa unhas vermelhas.
Da porta (que porta?)
                 o tempo
                 contempla
e se come autofágico
à espera de si mesmo:
a moça nua
na posição de concha
captura o futuro
de seus descendentes.

Entre quatro paredes
o desencanto
mora no canto
          da frente:
no frenesi efêmero do
                         prazer
a volúpia é séria
porque a natureza
               não sorri.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura realística da artista americana Alyssa Monks.

19 novembro 2012

SÚCUBO


























Não pode ser suco
                 lento
chegar na madrugada
à míngua de sono
tampouco é cubo
são partes desiguais.

O silêncio maiêutico
na sílaba do meio
resume o amor
de quem caça mais
o segredo um do
                           outro:
lúbrico demônio feminino.

Atravessa o lençol
                           de solidão
para somente chupar
                           sublime
a boca feito porta do 
                           inferno
aniquila toda esperança.

Depois me abandona
                           diacho!
sem se deixar enfiar
                           por baixo
"porque trepar é humano
              chupar é divino."

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

14 novembro 2012

A REVOLTA DE ATLAS


























A revolta de Atlas
derrubou a ponte
           cervical
entre o corpo e o crânio:
nasceu a alma.

A revolta de Atlas
enxugou as águas
           do Atlântico:
do abismo seco da fome
           a cidade
engoliu o buraco.

A revolta de Atlas
           trouxe os céus
           ao rés do chão:
virou bola nas mãos de Chaplin
e o mundo se fez uma reta.

A revolta de Atlas
            primordial
apagou todos os mapas
            do meu destino:
caminho na ponta do lápis
e o lápis é meu inimigo.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

09 novembro 2012

COISAS DA ABSTINÊNCIA


















               Sobre a mesa
a cesta de frutas
                se oferece
para a minha fome
                de carne:
uma maçã e uma banana.

                Como uma ideia
não mato a fome
                mas o amarelo
                e o vermelho
misturam-se ao verde
                dos meus olhos
e sem pejo
                copulam à vista
                               desarmada:
a banana fricciona o prepúcio
                (sua casca)
desnuda a singular glande
                                           branca
enquanto a maçã de
                 rubras nádegas 
                                           redondas
                 gargalha-me
                                   de batom.

- Volto a pensar na vaca...

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

02 novembro 2012

MÁRCIA

























Ainda escalo castelos
           imaginados
e me faço Romeu
           por que eu?

Nossos beijos têm o mesmo
           gosto primeiro
a viajar nas rugas falsas
           do calendário
           que tempo?

Morreram as flores
do canteiro que a amei
a blusa salmão que mágico
fiz virar pele morena
maduraram nossos filhos
para a vida comer
na eterna fila do adeus...

mas basta o próximo
                                  abraço
            eis a verdade
na amêndoa cor de seus olhos
           o renascimento
                do amor
                   que
              (inclusive)
            tem seu nome.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura "Romeu e Julieta" de Frank Bernard Dicksee

POEMA ESCATOLÓGICO





















Cagar é mais importante
do que rezar
     porque a merda
               é a gênese 
de todas as filosofias.

O pensamento
é o papel higiênico
              insuficiente
                                da hora H.

Então, gritamos:
- Meu Deus!
como se fosse possível
        palavras
                       purificarem.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: obra de Carlos Huante

01 novembro 2012

DEPOIS DE AGORA
























O homem se perdeu
na superação e se fez
o além do homem.

      As invenções
             órfãs
                     da extinção
         reuniram-se
                     para o suicídio
                                             coletivo.

Houve derradeiras lamentações
                humanas
                  (ainda)
como forma de saudade:

Branca de Neve
sempre quis ser mulata.

O Saci alisa os pelos
da perna que lhe falta.

Papai Noel balança a pança
arranca o gorro e mostra o saco.

Jesus voltou várias vezes
mas ninguém acreditou.

O Diabo
a Democracia
e a Justiça
preferiram calar-se
como último ato.

Só Deus não compareceu.
             Depressivo
no seu trono de ex-déspota
             da humanidade
sonha com a evolução dos ratos
para afligir um novo reino.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: tela "Máscaras" de Nolde Masks