ALAORPOETA

ALAORPOETA

08 janeiro 2012

NOVO ANO VELHO





















Eu podia adocicar o poema
mas ao amor prefiro o odor de sêmen
as estrelas do motel coloridas
luzindo as letras do cartão de crédito.


Neste ano novo eu podia esculpir
novas fórmulas sob riscos em forma
de castelos nutrir porta-retratos
opacos de uma essência renascida.


Mas onde sepultar as velhas sombras
do abismo nos atalhos de rapina
sempre me seduzindo para o salto?


Como me recuso e afronto seus olhos
adoto a fronte do filho esquecido
em busca da própria imagem na foto.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: tela de Willian Blake

05 janeiro 2012

O VENCEDOR SOCIAL



















           
           
           Ganhava bem
        pois desde criança
        decorou a cartilha
         embora quisesse
              ser outra
           alguma coisa
              diferente
        o que poderia ser?
         se nunca passou
            de ilustração
              esboçada
        do espelho social.


         Três casamentos
cinco vias de fato (são detalhes)
            dois filhos
          (um drogado
    outro bem encaminhado)
         membro honorário
do Rotaeri (por merecimento)
   seis recusas ao bafômetro
        (sempre sem fôlego
        e muita prepotência
           para assoprar)
    sete mandatos eleitorais
    vinte e cinco processos
    (por motivos políticos?)
      e a penhora do carro?
          o empregado
                             no pau?
     a delegacia da mulher?
               o desvio?
               o pavio?
           a origem do rio
             de dinheiro?
      As flores da vergonha!
              Quem viu?
              O que viu?
                 Mentiu.
                Usufruiu.
Tudo é uma questão de mercado.


       Depois de tanto subsídio
                 embarrigou
                            de excessos
          alimentícios bebedícios
                    truculícios
                 e se foi mortal
                      que era
                      exausto
                                 de fartura
                 numa explosão
                    de aplausos.


             Virou nome de rua
                palmas pra ele.



Alaor Tristante Júnior


Ilustração: tela sobre óleo "Crânio humano no espaço" de Damien Hirst