ALAORPOETA

ALAORPOETA

21 novembro 2012

O AMOR DE SCHOPENHAUER



















Na célula de solidão
a cama tão grande
dispensa unhas vermelhas.
Da porta (que porta?)
                 o tempo
                 contempla
e se come autofágico
à espera de si mesmo:
a moça nua
na posição de concha
captura o futuro
de seus descendentes.

Entre quatro paredes
o desencanto
mora no canto
          da frente:
no frenesi efêmero do
                         prazer
a volúpia é séria
porque a natureza
               não sorri.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura realística da artista americana Alyssa Monks.

7 comentários:

  1. Belíssimo momento poético perfeitamente 'integrado' à imagem ilustrativa. Parabéns! Abçs,______________________LL

    ResponderExcluir
  2. Gostei, as palavras revelam muita sensibilidade e quanta fragilidade nessa imagem!
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
  3. Ah! realmente você é ótimo poeta mas diga uma coisa: este shopen aí eo o Arthur, o velho arthurzinho. Sendo, to fora deste cara. Lazarento é um tarado, derrotado.Nem doido entende este cara.
    Tscunjuto mizifio, mangalô " treis veis"

    ResponderExcluir
  4. Célula, pequenina, mas SOLIDÃO, enorme, tão grande ou maior que a cama.
    O vermelho seduz, mas as unhas não quer esta cor,ela quer no momento a cor da paz, o tempo que contempla através de uma porta que não existe, é implacável.
    A moça acaba com o período de inanição e come a sim mesma, nua em posição de feto como no útero, sem vontade nenhuma de nascer, mas mesmo assim preve o futuro de seus descendentes.
    Nada como quatro paredes, privacidade! Bela invenção do homem "Paredes" Afinal o prazer e a volúpia fazem parte da Natureza, sem eles não se vive.
    Alaor Belo Poema ! Parabéns!
    Marianice

    ResponderExcluir
  5. Sobre o branco lençol da solidão (tão cruel) da extremidade humana poreja o sangue. Nascer? Ainda que se despindo de tudo é impossível voltar, na natureza tudo é sério, não há voltas nem sorrisos apaziguadores. Só uma paciente e conformada espera na engrenagem da vida, impulsionada pelo engodo do frenesi efêmero do prazer.Maria Luzia

    ResponderExcluir
  6. Muito Lindo..... Fiquei emocionada....

    ResponderExcluir
  7. alaor,
    com todo o respeito, não faça mais isso não, os deuses não gostam dos homens que fazem obras perfeitas, certamente, ainda vão castigar você, veja bem o que você fez:
    - como se não bastassem os seus inspirados versos, você ainda me coloca uma mulher nua na cama, a coisa mais bonita do mundo, cara, você ainda me mata do coração.

    ResponderExcluir