ALAORPOETA

ALAORPOETA

28 julho 2012

O OUTRO LADO























Lá estava o invisível
às portas guardadas
               chifres de touro blefavam
               omoplatas primatas cuspiam
               orelhas gigantes rezavam
               enquanto garras venéreas
               prendiam o passado.

Eu vi o invisível
não o inventei
               parecia triste
porque tudo explicava.

Nele o homem
tornara-se lenda
histórias contadas
em curtos-circuitos
cópulas de pedras
e fios de cobre.

Lá estava o invisível
às portas guardadas
               silêncio de ouro
               profano dos tolos
               janelas do adeus
nem precisava das sentinelas.


Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Salvador Dali

9 comentários:

  1. É engraçada a vida...alguns têm cara de maluco e o são (como você, por exemplo); outros não têm a cara, mas são, como eu. kkkk Mas há sempre uma ponte, um link possível quando a poesia se instala e fica.
    Sua poesia é grande, densa...coagulante. Isso me assusta. Parabéns por isso.

    Beijo, meu fiel leitor e comentarista. Sua presença no blog muito me honra. Mas eu continuo questionando o fogo kkkkkkkkkkk (essa é a cereja deste bolo...) kkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Alaor,
    além de poeta, um grande filósofo nos versos, o que você me passou em, O Outro Lado, foi o seguinte, a vida sem véus não faz nenhum sentido, tudo tem que ser velado para ter graça, a verdade nua e crua incomoda a maioria da humanidade. Todavia, eu não me incluo neste caso porque estou sempre procurando a verdade nua e crua. O que lhe é mais interessante, uma mulher velada ou uma nua?
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Aníbal, obrigado por visitar meu blog. A verdade não existe. Não perca o seu tempo. A vida é inventada. Aliás, segundo Ferreira Gullar, "a arte existe porque a vida não é suficiente." Abraços. alaorpoeta

      Excluir
  3. O invisível, mantem às portas guardadas: O silêncio do ouro profano dos tolos. Acertou em cheio, poeta!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Mirze, onde você estava... de repente, aparece, do invisível. Sim, eu vi o invisível... Cadê seu blog? Está fazendo falta. Fico rica. Então está feliz. Quem é feliz, escrever pra quê? Abraços. Obrigado por visitar meu blog, foi uma honra. alaorpoeta

      Excluir
  4. No invisível se encontram nossas mais profanas virtudes. Virtudes essas que tanto proliferamos, mas no fundo sabemos o quão nefasta ela é. Silêncio de ouro que guarda segredos inconfessáveis de um passado que deve ficar para sempre trancada na janela do adeus. Parabéns! Belo Texto. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Heitor, o "poeta das multidões", sua presença por aqui muito me honra. É isso. Tudo que você falou e muito mais. A cada leitura me surpreendo com este meu filho a quem dei o nome de "O outro lado". Abraços. alaorpoeta

      Excluir
  5. Se formos sensíveis o invisivel se apresenta.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que invisível tão explícito, não? Só o poeta pode encontrar o possível no impossível e vice-versa, fazendo os lados serem os lados dos outros lados.

    ResponderExcluir