ALAORPOETA

ALAORPOETA

24 novembro 2012

AUGÚRIOS DE PEDRA



















Há um leão-marinho
                    trepando-me
(seu único olho comprova)
quando fui gente
não sabia que seria
                          uma pedra
lambida pelas águas
de ondas de lua do mar.
Se escorria pelos vãos
            pétreos
                         do destino
um felino
                   me aguardava.
A sorte foi que me fiz
                         pesadas
                         lágrimas
                         de rocha
que teimava em se
                                revelar
                                viva
pelos cílios (ou matos capins
                            braquiárias)
                    volúpias
que cresciam por todo o
                             corpo.
Passei a existência
tentando descobrir o
                                 branco
no preto do meu chapéu.
Até que um dia as águas
me cobriram para sempre
      xuá... xuá... xuá...
dei à luz ébrias conchinhas
         e o leão-marinho
             pediu DNA.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do GOOGLE

21 novembro 2012

O AMOR DE SCHOPENHAUER



















Na célula de solidão
a cama tão grande
dispensa unhas vermelhas.
Da porta (que porta?)
                 o tempo
                 contempla
e se come autofágico
à espera de si mesmo:
a moça nua
na posição de concha
captura o futuro
de seus descendentes.

Entre quatro paredes
o desencanto
mora no canto
          da frente:
no frenesi efêmero do
                         prazer
a volúpia é séria
porque a natureza
               não sorri.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura realística da artista americana Alyssa Monks.

19 novembro 2012

SÚCUBO


























Não pode ser suco
                 lento
chegar na madrugada
à míngua de sono
tampouco é cubo
são partes desiguais.

O silêncio maiêutico
na sílaba do meio
resume o amor
de quem caça mais
o segredo um do
                           outro:
lúbrico demônio feminino.

Atravessa o lençol
                           de solidão
para somente chupar
                           sublime
a boca feito porta do 
                           inferno
aniquila toda esperança.

Depois me abandona
                           diacho!
sem se deixar enfiar
                           por baixo
"porque trepar é humano
              chupar é divino."

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

14 novembro 2012

A REVOLTA DE ATLAS


























A revolta de Atlas
derrubou a ponte
           cervical
entre o corpo e o crânio:
nasceu a alma.

A revolta de Atlas
enxugou as águas
           do Atlântico:
do abismo seco da fome
           a cidade
engoliu o buraco.

A revolta de Atlas
           trouxe os céus
           ao rés do chão:
virou bola nas mãos de Chaplin
e o mundo se fez uma reta.

A revolta de Atlas
            primordial
apagou todos os mapas
            do meu destino:
caminho na ponta do lápis
e o lápis é meu inimigo.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

09 novembro 2012

COISAS DA ABSTINÊNCIA


















               Sobre a mesa
a cesta de frutas
                se oferece
para a minha fome
                de carne:
uma maçã e uma banana.

                Como uma ideia
não mato a fome
                mas o amarelo
                e o vermelho
misturam-se ao verde
                dos meus olhos
e sem pejo
                copulam à vista
                               desarmada:
a banana fricciona o prepúcio
                (sua casca)
desnuda a singular glande
                                           branca
enquanto a maçã de
                 rubras nádegas 
                                           redondas
                 gargalha-me
                                   de batom.

- Volto a pensar na vaca...

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

02 novembro 2012

MÁRCIA

























Ainda escalo castelos
           imaginados
e me faço Romeu
           por que eu?

Nossos beijos têm o mesmo
           gosto primeiro
a viajar nas rugas falsas
           do calendário
           que tempo?

Morreram as flores
do canteiro que a amei
a blusa salmão que mágico
fiz virar pele morena
maduraram nossos filhos
para a vida comer
na eterna fila do adeus...

mas basta o próximo
                                  abraço
            eis a verdade
na amêndoa cor de seus olhos
           o renascimento
                do amor
                   que
              (inclusive)
            tem seu nome.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura "Romeu e Julieta" de Frank Bernard Dicksee

POEMA ESCATOLÓGICO





















Cagar é mais importante
do que rezar
     porque a merda
               é a gênese 
de todas as filosofias.

O pensamento
é o papel higiênico
              insuficiente
                                da hora H.

Então, gritamos:
- Meu Deus!
como se fosse possível
        palavras
                       purificarem.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: obra de Carlos Huante

01 novembro 2012

DEPOIS DE AGORA
























O homem se perdeu
na superação e se fez
o além do homem.

      As invenções
             órfãs
                     da extinção
         reuniram-se
                     para o suicídio
                                             coletivo.

Houve derradeiras lamentações
                humanas
                  (ainda)
como forma de saudade:

Branca de Neve
sempre quis ser mulata.

O Saci alisa os pelos
da perna que lhe falta.

Papai Noel balança a pança
arranca o gorro e mostra o saco.

Jesus voltou várias vezes
mas ninguém acreditou.

O Diabo
a Democracia
e a Justiça
preferiram calar-se
como último ato.

Só Deus não compareceu.
             Depressivo
no seu trono de ex-déspota
             da humanidade
sonha com a evolução dos ratos
para afligir um novo reino.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: tela "Máscaras" de Nolde Masks

23 outubro 2012

ASSEIO





















barulho de chuva
parece que toma banho
a minha alma

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: Leonid Afremov

22 outubro 2012

SER OU NÃO SER


















Chegou quando partiu primeiro
silenciando todas as metáforas
como num átimo gozo.

A grande pergunta
foram meus pés
de chão limitado

passos medidos
em tempos-currais
na trama dos olhos.

Atestado meu estado vivo
abraço a sombra da vida
porque a trago nas costas.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

20 outubro 2012

AINDA SOBRE SER POETA


















                   Poeta não é escritor
                   é estado de espírito.

Conheço um poeta
                             analfabeto
que exala poesia
no reverso dos olhos
                            movimentos de dedos
                            gotículas de saliva
                            capturam o tempo.

                   A poesia é livre
                   das amarras do nexo
                   não são versos
                   aprisionados em livros
                   como um trem de letras
                   viajando na pauta
                   de parágrafo ao fim
                                               da linha...

Não se compra passagem
                         para a poesia
tem que ter dinamite!
"A negro, E branco, I rubro,
U verde, O azul: vogais".
Tem de romper perfumes
um gosto alheio de chumbo
gestos abraçando palavras
palavras parindo silêncio
como se tudo estivesse
ainda naquele instante
a se formar no ventre.

                   Poeta não é escritor
                   é estado de espírito
                   leva consigo um
                                             segredo
                   trazido do útero.

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: foto do poeta Arthur Rimbaud

02 outubro 2012

REFLEXÃO


























No espelho do banheiro
              a imagem
do desconhecido roteiro.

Não reconheço o nariz os olhos
               o porquê
                            da respiração.

Onde está aquele menino?

                 Menino não cresce
                 morre para o desejo
                 de falsas promessas.

Se não fossem aquelas fotos
imperdoáveis de mamãe...
mas quem garante que sou eu...
                  e não projetos
                            que não deram certo?

                  Eu nasci hoje.
O passado são sonhos dos outros.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem retirada do Google


01 outubro 2012

SEGUNDA-FEIRA




















A segunda-feira será longa...
e você sendo enfiado
                      aos poucos
longamente pela maldição
                      bíblica
do suor do próprio rosto.

Segunda-feira é a encenação
do eterno retorno.
É quando pelo ângulo
                      da mentira
enxugamos o gelo do tempo.

Mas se o domingo foi um tédio...
é porque não nascemos para assistir
                      ao espetáculo
temos que representar a vontade.

Se alguém lhe perguntar
                      como vai?
Diga, simplesmente:
- Vivendo e gostando!

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: pintura antiga hindu.

25 setembro 2012

CASAL FELIZ

























Eu estava partindo
vinha vindo o destino

segurei o momento
olhos presos no tempo

tinha um quê de agora
tão urgente na hora

o amor forte no peito
mata a fome no leito

se havia algum plano
faz mais de vinte anos

sempre juntos nós vamos
não me canso eu te amo!

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: tela de Adelaide Moça

23 setembro 2012

MEU RIO SOLIDÃO






















A ponte de madeira; às vezes o vento
trazia-me a chuva: a preguiça sem remorso.
- Como suportar do sol o ardor estupendo,
bocas e dentes cortejando meus esforços?

Sigo assentado; o talho da infância nas costas
como uma carapaça fiel de saudades;
ainda lambo na carne a unção de respostas
porém mudas aos gritos das fatalidades.

À frente a distância; espectro fluxo infindo
céus e olhos opacos de algozes juízes
se não outro o mesmo pardal que no domingo
era Páscoa matei num eterno deslize.

E já se foram mil desculpas ao fantasma
que voa imortal se o matei porque o ninho
infértil grava a lápide com suas asas
e faz do menino o pai do homem arrimo.

A ponte imóvel; a quem se nega o passado
de silêncio molhado sob suas tábuas;
o futuro encoberto no útero vago
entre curvas do rio ou nas quedas das águas.

Meus pés mergulhados para ser outro homem!
se a ponte herdada estigmatizou o destino
refaço-me de ondas curtas da desordem,
fui chuva sou o rio... continuo sozinho.

Do fundo prata confronta-me um peixe órfão:
- Não fui eu quem puxou o anzol de sua mãe,
basta-me a dor de saber que o suor no chão
são prantos desejando-me: - Deus te acompanhe.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: Arnold Böcklin 

21 setembro 2012

VOTOS PARA O ARTISTA MORTO


























passa o artista morto
no bolso lava seu rosto
transfigurado em santinhos
planeja o ninho dos outros

sua arte nem era tão bela
tão forte tão arte capaz
de transformar o mundo
precisou do próprio corpo

ao se extraviar político
desmentiu a poesia
recusou a eternidade
assumiu a superfície

passa o artista morto
alguém lhe pede um poema:
dá um prato de comida
então diz: - Segue o enterro!

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura do artista iraniano Iman Maleki

29 agosto 2012

RECONSTRUÇÃO





















infância:
o sorvete na praça
o futebol das tardes
o azul da pipa:

eu é que não tenho mais vontade...

namoro:
o primeiro beijo
o segundo beijo
infinitos beijos:

anticorpos nascem na boca...

casamento:
o instinto amor
a beleza dos frutos
construção de um lar:

operários da Natureza...

sociedade:
o progresso
a casa o carro
as aparências:

o sucesso mora no espelho...

passatempo:
passa o tempo
renasce sempre
a infância namoro casamento sociedade:

nós é que nos tornamos ausentes...

a fuga do tempo
apaga o desejo
por fim até o tempo
na fuga se acaba.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Katelyn Alain

24 agosto 2012

IDOLATRIA



















Enquanto o anjo mal fez dois anos de idade
tem o crânio esmagado por um caminhão;
- Pobre criança! teria tanta maldade?
tantos crimes a lhe sangrar o coração? - 

enquanto lágrimas impagáveis de mãe
misturam-se no asfalto ao sangue inocente;
um pai, o da terra, recebe o me acompanhe
para escolher o caixão da filha ainda quente,

- Persiste um Deus, indolente, que nada faz
nada sabe nada vê e pede como louco
o culto dos insultos em troca de um soco

na boca do estômago. - Oh! mente voraz
mente por trás de falsos altares de ouro
à custa imbecil de quem paga o desaforo.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: imagem do Google

21 agosto 2012

O DITADOR


























Sempre pensei
que não existisse
não passasse de invenção
até que um dia
bateu à minha porta
sentou no meu sofá
bebeu da minha água
apresentou-me seus projetos
passado presente futuro.

Tudo ia bem
até nossos olhos se encontrarem
quando me lembrei de Capitu
que tinha olhos
oblíquos e dissimulados.

- Sim, você existe
mas sou oposição
não concordo 
com seu governo.

Contrariado
partiu calado
fez tudo virar sonho
preferiu não existir.

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: pintura de Willian Blake

18 agosto 2012

CORAÇÃO


























Arranquei-o a gosto; poderia comê-lo
com nojo; mastigá-lo a roubar-lhe segredos;
mesclar-me ao sangue fatal do pesadelo;
daria o perdão se me livrassem os medos.

Mas segue o seu caminho; dê-me as costas
resoluto como se ainda estivesse vivo
embora meu ódio; apesar das respostas
insanas negarem não passa de arquivo

morto; como poderia custar vantagem
esse buraco no peito? doida viagem
de noites geladas comendo a solidão?

Curve-se, não olhe para trás, marche sempre;
se o sigo de perto e o afago entredentes
não se engane levo uma faca nas mãos.

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: pintura de Frida Khalo

11 agosto 2012

CORPOS EM MOVIMENTO


























Oh! vida de ilusões atadas
teu cardápio não me diz nada.

Esta fome que me mantém
nas figuras que te convêm.

Quando criança quis o doce
foi o palhaço quem me trouxe.

Depois dia após dia décadas
vivi para copular réplicas.

Enquanto falavam de amor
fui um poeta traidor.

Ninguém enxerga nas rotinas
o que está por trás das cortinas.

Corre no circo o passatempo
quem sentirá o próprio tempo?

Oh! vida de ilusões atadas
teu cardápio não me diz nada.

Se permaneço à tua mesa
dá-me ao menos a gentileza.

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: tela do pintor português José Fonseca

09 agosto 2012

GERAÇÃO 69





















A pena de morte é abolida na Inglaterra. No Brasil 
o último executado foi o escravo Francisco, em 1876.
Um jovem americano, em Chicago, queima em público 
sua convocação para a Guerra do Vietnã.
Neil Armstrong pisa a lua e diz "este é um pequeno passo para um homem, mas um grande salto para a humanidade."
A banda Led Zeppelin lança o primeiro álbum 
considerado de heavy metal.
Em agosto, três dias de sexo, drogas e música 
no Festival de Woodstock.
Primeiro implante de um coração artificial em ser humano, em Houston. O paciente morre algum tempo depois.
No Brasil, a esquerda sequestra o embaixador americano Charles Burke Elbrick.
Cid Moreira fala pela primeira vez no seu Jornal Nacional.
Em novembro, Pelé faz seu milésimo gol.

Que ano! Besta!

Foi quando em Araçatuba
gerada nas coxas
- filha de uma negra
                            semialforriada
e de um pai desconhecido
                            branco - 
nasceu meu amor.

Perto dali em Birigui
após um 69 mal dado
- filho de um operário
de curso primário
                           incompleto
e de uma louca varrida
resgatada das ruas - 
nasci eu.
- deu no que deu.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: tela do pintor bielo russo Genrikh Brzhovski

07 agosto 2012

INTOLERÂNCIA



















Mala fala? Fala!
Malafala. Má. Lá. Fá. Lá
do púlpito a milhões
de séquitos turistas
passageiros dos céus.
Mala fala? Fala
ordena moraliza
postes de mãos levantadas
perdoa condena.
Mala fala? Fala!
Dentro vai um cofre.
Se lá malafala fala
é lei.

Alaor Tristante Júnior

01 agosto 2012

A PASSAGEM...





















De repente (não para todos)
assaz em câmera lenta
você ilumina o mundo
como quem se despede
como quem aguarda
                                o trem
que já aponta na esquina.

Viagem desde sempre
                                 esperada
                                 sem malas
com a roupa do corpo
parentes amigos cachorros
todos (nem todos)
alguns já terão partido
outros estarão ocupados
darão o último adeus.

Mas lá do seu assento
de comprido deitado
receberão o silêncio
de quem vai contrariado.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: tela de  Hieronymus Bosch

28 julho 2012

O OUTRO LADO























Lá estava o invisível
às portas guardadas
               chifres de touro blefavam
               omoplatas primatas cuspiam
               orelhas gigantes rezavam
               enquanto garras venéreas
               prendiam o passado.

Eu vi o invisível
não o inventei
               parecia triste
porque tudo explicava.

Nele o homem
tornara-se lenda
histórias contadas
em curtos-circuitos
cópulas de pedras
e fios de cobre.

Lá estava o invisível
às portas guardadas
               silêncio de ouro
               profano dos tolos
               janelas do adeus
nem precisava das sentinelas.


Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura de Salvador Dali

24 julho 2012

O PERNILONGO





















Como poderia matar
                     um ser que voa
quando tenho os pés
                     fétidos
presos ao chão
                     humano

ainda que o céu
seja a laje branca
                     insípida
do quarto iluminado
pelo sol da philips

interrompo a leitura
e deixo-o à vontade
nutrir-se do sangue
                    anêmico
de vasos abandonados.

Algum tempo depois
                   sem limites
                   obeso
suas asas levam-no
                   ao rés do chão
do prazer exacerbado.

Apático ecoa o horizonte
em busca de seu oráculo
                   outro pernilongo
mas como poderia matar
                   um ser que voa.

Alaor Tristante Júnior

Ilustração: pintura do artista polonês Bezt

23 julho 2012

ENCLAUSURADOS



















Se tudo estivesse ali por um triz
nossos corpos suspensos entre linhas
quem sabe haveria algum sentido
para aceitar as imagens dos olhos.

Se não fossem as distorções das águas
passadas sobre cérebros de fatos
o amor seria mais do que o instinto
beijando a lona social dos pactos.

Mas o tempo sem risco dos momentos
fez da estrada segura o destino
das emoções mofadas que respiro.

Se a felicidade fosse a vitória
por que não deixo de ser o que sou
para ser o que nunca saberei o que fui...

Alaor Tristante Júnior


Ilustração: Orfeu e Eurídice - pintura de Yarek Godfrey

26 março 2012

ESPAÇAMENTO




















Entre o nada de antes
          e o nada do depois
                a vida floresce
entre dois túneis
                do esquecimento:
- O sonho da morte:


"ciranda cirandinha
vamos todos cirandar
vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar"


           são sensações
como quem pica o fumo
como quem morde a isca
seria uma comichão eterna
           se não fossem espaços
entre dois túneis:


"ai, eu entrei na roda
ai, eu não sei como se dança
ai, eu entrei na rodadança
ai, eu não sei dançar"


sonho curto? - pernilongo
sonho besta? - maçaneta
sonho pesadelo? - dois buracos outrora
residências duns olhos...
somente sonho? - não lembrar nada:


"por isso dona rosa
entre dentro desta roda
diga um verso bem bonito
diga adeus e vá se embora"


          "boi, boi, boi
       boi da cara preta"
      cercado alimentado
            à espreita
enquanto não acorda para o açougue
          rumina pensativo
no princípio da dignidade humana
          dos humanos:
- O sonho da morte são gotas
          de dipirona.


Alaor Tristante Júnior


ilustração: pintura de Hans Thoma (1839-1924)



08 janeiro 2012

NOVO ANO VELHO





















Eu podia adocicar o poema
mas ao amor prefiro o odor de sêmen
as estrelas do motel coloridas
luzindo as letras do cartão de crédito.


Neste ano novo eu podia esculpir
novas fórmulas sob riscos em forma
de castelos nutrir porta-retratos
opacos de uma essência renascida.


Mas onde sepultar as velhas sombras
do abismo nos atalhos de rapina
sempre me seduzindo para o salto?


Como me recuso e afronto seus olhos
adoto a fronte do filho esquecido
em busca da própria imagem na foto.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: tela de Willian Blake

05 janeiro 2012

O VENCEDOR SOCIAL



















           
           
           Ganhava bem
        pois desde criança
        decorou a cartilha
         embora quisesse
              ser outra
           alguma coisa
              diferente
        o que poderia ser?
         se nunca passou
            de ilustração
              esboçada
        do espelho social.


         Três casamentos
cinco vias de fato (são detalhes)
            dois filhos
          (um drogado
    outro bem encaminhado)
         membro honorário
do Rotaeri (por merecimento)
   seis recusas ao bafômetro
        (sempre sem fôlego
        e muita prepotência
           para assoprar)
    sete mandatos eleitorais
    vinte e cinco processos
    (por motivos políticos?)
      e a penhora do carro?
          o empregado
                             no pau?
     a delegacia da mulher?
               o desvio?
               o pavio?
           a origem do rio
             de dinheiro?
      As flores da vergonha!
              Quem viu?
              O que viu?
                 Mentiu.
                Usufruiu.
Tudo é uma questão de mercado.


       Depois de tanto subsídio
                 embarrigou
                            de excessos
          alimentícios bebedícios
                    truculícios
                 e se foi mortal
                      que era
                      exausto
                                 de fartura
                 numa explosão
                    de aplausos.


             Virou nome de rua
                palmas pra ele.



Alaor Tristante Júnior


Ilustração: tela sobre óleo "Crânio humano no espaço" de Damien Hirst