ALAORPOETA

ALAORPOETA

30 outubro 2011

IDEOLOGIA

















             
           Quanto mais penso
                  no Poder
            chego sempre ao
                  arbitrário


então descanso
nas formas ideais
na dureza dos fatos
no imponderável
do cotidiano
procuro morrer
     de viver
a morte do pensamento
enquanto águas de sangue
me afogam no imaginário.


Da liberdade
             só nos resta
                           mastigá-la


            impermeável
            antes de tudo
             sustentá-la
            como a folha
     de uma grande árvore


              e a árvore
    perante todas as árvores
        e todas as árvores
              aleatórias
        frente ao universo
               do infinito
                 de tudo
              que é nada.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: A execução de Maximiliano - 1867 - Edouard Manet



22 outubro 2011

DUALIDADE

















Quem sou eu?
           habitante deste corpo
frágil
            prazo de validade
                em segredo
             que me carrega
                 autoritário


escravo
           às vezes
                       dou-lhe o troco
digo pare
levante-se
dance uma valsa


                Mas quem sou eu?
                inventor de mundos
                viajante estrelar
sucumbo
                           à unha encravada


                parasita fiel
                desconheço
                outro corpo


mais moço
mais belo
com pernas
                  para um chute
mais potente


                futura vítima
                 deste algoz
                  assassino
                 impiedoso
                   de mim


Será eu?
            ao contrário
explorador
de peles bocas dedos olhos
            cérebro
até reduzi-los a
                            ossos
           quando serei
                apenas
                          versos


                   Eu?
           Quem sou eu?
              que pensa
           neste efêmero
                 corpo
               andante?


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: "Aula de anatomia do Dr. Tulp" - (1632) - Rembrandt

13 outubro 2011

TRANSIÇÃO






















Adeus ao riso
nascia triste na boca
o primeiro siso


alaorpoeta


Ilustração: "Puberdade" - Edvard Munch

12 outubro 2011

BODE EXPIATÓRIO





















Bandidos de gravata
toga farda óculos
chapéu batina


bandidos de luxo
capacete gabinete
pés de chinelo


calaram a boca...


o escuso foi preso
parecia Jesus
pelado na praça


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: "Dante e Virgílio no Inferno" - Willian-Adolphe Bolguereau

09 outubro 2011

VISÃO DE UM CACHORRO FELIZ






















Cheguei ao vazio e pus-me solitário
banindo qualquer intenção do nada
o dia flui e a noite abre as pernas
cálidas feridas em preto e branco.


Rasguei cavernas grotescas de sexo
fundo engolfei famílias de paixões
suguei a pintura do arco-íris
e me fiz estátua de cemitério.


Das ilusões passadas na montanha
guardei o ar reprimido do peito
tentáculos de flores e perfumes
a vida faz de conta entre dois túneis.


Porque desde o início fui máquina
o pensamento a serviço da dor
pintei meu tempo com olhos daltônicos
guspi nas trevas a luz que me falta.


Sede não sinto sou água de poço
se tenho fome procuro uma língua
que se faça entender pelo cifrão
uso meu bolso e me chamam Doutor.


Tenho vergonha da felicidade!
queria apanhar o sol com as unhas
na guerra fuçar sobre chão minado
gostava mesmo que o mundo acabasse.


Na reconstrução da minha história
sem pet shop meus pelos compridos
fétido voltaria a ser um lobo
selvagem no espelho da dignidade.


Alaor Tristante Júnior


ilustração: "Velho guitarrista cego" - Pablo Picasso

FALSIDADE IDEOLÓGICA

















O rei vai de iate
entre pompas e a popa
canta Jesus Cristo


alaorpoeta

08 outubro 2011