ALAORPOETA

ALAORPOETA

05 novembro 2011

POESIA de URGÊNCIA




















           
         Para que serve
             a reflexão
     sobre o fazer poético
             quando
     meu corpo fede
     mãos piedosas pedem
     membros se agigantam
     filhos trêmulos
     cabeças de cérebro


perguntas se calam
diante da fome
de carne viva e morta
a apodrecer e apodrecendo
          é preciso
  comer comer comer


         Roçzeiral ex vano
            eu quero logo
             o logro real
            dos sentidos
    a vida que me dá direitos
           morto não sou
                 já fui
         existo para o fim
              dos meios


   Fazer poesia é gozar na cara
            na própria cara
        enquanto não chega
            ser fotografado
              para o fugaz
                  eterno


               O mundo?
         é viver numa pedra
            chamada Terra.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: "Os retirantes" de Cândido Portinari

10 comentários:

  1. Excelente!

    Alaor, um belo poema que permeia a vida aqui na terra.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Se nao fosse possivel a reflexão sobre o fazer poetico aí sim que a fedentina ia ser brava nesta pedra chamada terra.
    Congratulations....

    ResponderExcluir
  3. Alaor, ironico, sagaz seu poema é a realidade da pedra, da terra do universo.
    parabéns

    ResponderExcluir
  4. o comentario anterior é meu. Marianice. Não consigo postar diferente, só como anonimo.

    ResponderExcluir
  5. Alaor!

    Parabéns pela belíssima entrevista!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  6. Alaoramigo

    «O mundo?
    é viver numa pedra
    chamada Terra.»

    Gostei, gostei mesmo muito. Belíssima imagem.

    E para quando uma visitinha lá à nossa Travessa?

    Abç

    ResponderExcluir
  7. imagens e palavras foram tão bem usadas que chocam, emocionam e nos convidam a refletir a realidade, o mundo no qual estamos inserido ou nos inserem.

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Conferindo seu belo poema. Como sempre, de parabéns!

    ResponderExcluir