ALAORPOETA

ALAORPOETA

14 maio 2011

GENEZÍRIUS HUMANUS
























Era uma vez ideais árvores
mil infinitas cores frutos
raízes débeis sonhos mármores
nutrindo sombra os cocô-rutos


lagartas farinavam cócegas
grávidas bobasletras-leques
cigarras fumegavam trócegas
entre um poema vários cheques


tudo começou com um sim
molécula a outras mulhéculas
penso existo logo dindim


houve récuas tréplicas féculas
da pré-história à palavrória
e havia o nunca e havia o sim.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: "A árvore de amora" (1889) - Vincent Van Gogh

2 comentários:

  1. Para o poeta, Alaor, o "dindim" é o mais difícil.

    Muito fácil, o nunca, mais ainda o sim.

    Belo poema

    Beijos]
    Mirze

    ResponderExcluir