ALAORPOETA

ALAORPOETA

09 maio 2011

ESTUPOR


















Jaz sempre chegando.
Estagnar-se nas formas
que as duras pedras
fazem da gente:
soldados de retrato
salvos pelo flash.
Numa única lágrima
represado fôlego
interesses escusos
compromissos inadiáveis
boletos em trânsito
fantasmas insepultos
da inútil Metrópole
mas com dentes de ouro
chegando... chegando...


Oh! Seria bom partir
fecundar as fotos
fatos fogos feras
espermatozoide incauto
a mundos nascituros
órbitas sem núcleos
imprevistos gozos
nas possibilidades múltiplas
do útero infecundo.
Vivê-los intensamente
no futuro sem origem
rebento abandonado
do presente absoluto
partindo... partindo...


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: poeta Arthur Rimbaud

5 comentários:

  1. FORTE, Alaor!

    A relação entre a vida e a fotografia, o "partir" sem saber o rumo, fez o poema brilhar.

    Um novo mundo, ou nova forma de vida precisa acontecer!

    Beijos, poeta!

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. a vida apesar do inicio é sempre uma partida, quando pensa que está indo já está voltando, é a lei da evolução, quanto mais se sofre mais se cresce, quanto mais se sente a partida, mais se está proximo da volta. a vida nao deixa de ser um revoar de pássaros na tarde da existencia. neste seu poema há um toque de misticismo. de exastão. vontade de se fechar no labirinto dos por quês. beijos.

    ResponderExcluir
  3. É no flash, aquele que deixa os nossos olhos vermelhos quando nos fotografam, que está, muitas vezes, a imagem da foto. No vermelho... no vermelho dos olhos fotografatos...

    ResponderExcluir
  4. Não existe espermatozóides incautos. Todos tem a missão de proliferar. Nos gozos imprevistos ou não, eles se regozijam na oportunidade se consumarem.Amém!

    ResponderExcluir
  5. Muito legal a sua participação no sarau.Abraços.

    ResponderExcluir