ALAORPOETA

ALAORPOETA

28 abril 2011

POETA



















Semelhante ao
pássaro drogado
no silêncio negro
de fumaça e pó
também o poeta
alimenta-se 
de recaídas.


Aos vinte anos
muitos são poetas,
aos trinta, os muitos
tornam-se máscaras
capitalizadas 
e estão curados...
aos quarenta, restam
os terminais
molambentos da
condição humana.


Arrastam-se nus
sobre chão de vidros
em busca da cura
do último trauma
ou do inferno que
lhes arranque logo
o incompatível
corpo já sem alma.


Alaor Tristante Júnior

4 comentários:

  1. Os poetas são os mais sensíveis e miseráveis VALENTES...
    Um grande abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  2. Um poeta desmascarando o outro. Nada como saber usar a linguagem. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Corpo já sem alma...Alma que sofria e sorria, para encaixar bem as palavras,registrando e decifrando os enigmas, tentando sempre alcançar o alvo.Ser feliz.
    Um abraço de urso amigo,tamanha é a saudade.

    ResponderExcluir
  4. Só não posso concordar!

    Manoel de Barros ainda faz belos poemas e Cora Coralina começou depois dos sessenta anos. Tudo depende da mente.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir