ALAORPOETA

ALAORPOETA

28 novembro 2010

FORA DO TEMPO

























Há tempo perdi a vontade do meu tempo!
Ando à esparavela e pressinto o movimento
do sopro do vento na face o passatempo
capenga de quem abandonou o argumento.


Por que cogitar que sou senhor dos meus versos,
dos meus livros, meus filhos, meu juízo, meus...
incertos abrir e fechar olhos imersos
na alvorada fugaz se escondendo do adeus.


Estou-me nas tintas para ladrar à lua
como o sono de morte do mendigo na rua
pouco me importa estancar ou não a goteira.


Há tempo perdi a vontade do meu tempo!
Quem quiser obrar que vá eu paro e contemplo
na estrada das almas vou ficando poeira.


Alaor Tristante Júnior

11 comentários:

  1. Bom, muito bom meu caro amigo poeta Alaor! O treino de escrever nos faz escrever melhor do que nunca. Eu estou engatinhado, vc é um Doutor. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o amigo "Literatura e Linguística".
    Já lhe disse que gosto da maturidade do seu trabalho.
    Acho muito difícil compor soneto. Isso é para mestres.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Nossa mto lindo o seu poema, gostei mto desse estrofe!!!

    "Por que cogitar que sou senhor dos meus versos,
    dos meus livros, meus filhos, meu juízo, meus...
    incertos abrir e fechar olhos imersos
    na alvorada fugaz se escondendo do adeus."

    ResponderExcluir
  4. Muito bonito mesmo. Escrevo mais solto mas adoro ver um soneto tão cheio de ritmo e inspirado como esse. Essa coisa de ser poeta realmente nos levam soltos por aí, catando palavras a esmo e recolherendo essas imagens do mundo que ninguém vê como o sono de morte do mendigo na rua. Tenta ser senhor dos versos, muitas vezes é contraprodutivo, mas nesse você fala dessa tarefa mas mantem o poema em suas mãos e por mais paradoxal que seja é desapegado em sua pretensão. Belo trabalho, Alaor. Irei ler mais.

    ResponderExcluir
  5. Lindo.Acima falaram corretamente da sua maturida na escrita.Ressalto ,de novo aqui sua sensibilidade tão aflorada.Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá Alaor como foi seu ano? Eu te convido a escrever um pouco sobre o seu 2010!!! Pra entender melhor clique:
    Aqui

    ResponderExcluir
  7. Não é exagero dizer que cada pessoa
    se define pelos vínculos que
    estabelece com coisas e pessoas.
    Nos relacionamos o tempo todo
    mesmo que não troquemos
    uma só palavra com alguém.

    Que 2011 seja pleno de realizações!

    Abraços,
    Paulo.

    ResponderExcluir
  8. Nada a dizer, pois o último verso diz pelo poema todo.
    Muito belo, Alaor
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  9. Adoro poemas que falam do tempo e este soneto é perfeito.

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela sensibilidade com as palavras. Gostei muito do texto. Convido te a conhecer o meu blog, tem poesias também! Abraço
    http://poeiraviajante.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. ....eu vou mas vou mesmo
    quietinho ,não fico aqui.
    que o diabo me carrego.
    se fico por aqui a esmo.
    quando a Velha me procurar
    vai me encontrar no fervo
    darei trabalho à desgraçada
    deixarei pecado como acervo.

    Alaor.Obrigado por comparecer e participar do nosso evento.

    ResponderExcluir