ALAORPOETA

ALAORPOETA

19 outubro 2010

VIDA BOA

























Vida boa são pingos fugazes
no pestanejar dos meus delírios
no consolo de instintos vorazes
no breve bocejar dos martírios.


Ademais a vida é um engano
desfile sombrio de fantasias
olhos presos no cotidiano
da sobrevivência dos meus dias.


Vida boa são sóis do amanhã
sonhos vindos ao encontro das horas
para morrer frustrados no agora.


São mentiras de glórias no afã
de lograr a nuvem que passou
e ver o sol cegar os meus olhos.


Alaor Tristante Júnior


Ilustração: "O grito" (1893) - Edvard Munch

5 comentários:

  1. Estupenda manifestação poética sobre a fugacidade das fantasias nos delírios de cada dia. Parabéns e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Alaor, belo espaço e muito bem falado os momentos da vida e bem representado pela obra de Edvard Munch... Nossa vida às vezes é sopro outras um grande grito.

    ResponderExcluir
  3. É senhor Alaor, sua alma ainda destila o veneno deslumbrante de Shopenhauer. Foi contaminada pelo gosto da verdade; quer sentir o sabor verdadeiro da vida, ainda que amargo.

    ResponderExcluir
  4. Vida boa são pingos fugases, vida boa são sóis do amanhã...por isso mesmo que eu pinto e bordo enquanto existe um sopro de vida em mim.Sem comprometer a minha reputação de bom rapaz, deixo a vida me levar.

    ResponderExcluir
  5. Já disse a você que considero o soneto uma forma dificílima de poetar. Fazê-lo, contando nele uma história , tem que ser mais do que um poeta.
    Sonetos são como os sóis para mim - queimam, mas não deixo de apreciá-los.

    ResponderExcluir