ALAORPOETA

ALAORPOETA

19 novembro 2009

REMINISCÊNCIAS!




















Quando criança eu era eterno
meu mundo era todos os mundos
e por só conhecer minha rua
passear no centro da cidade
era alcançar o universo.

Na verdade não tinha sonhos
porque eu era meu próprio sonho
e o mundo girava para mim.

O único rei era meu pai
mas perante mim fraquejava
então o fazia meu escravo
de todos os caprichos que eram muitos
e o limite do nada era sempre tudo.

O passado não existia
porque passado um minuto
todo passado era banal
e o futuro eu nunca via
porque o presente me bastava
principalmente no Natal.

Quando criança eu era eterno
meu mundo era todos os mundos
não havia limites entre o céu e a terra
todos comiam na minha mão
porque eu sei que naquele tempo
eu morava em cada coração.

Hoje me recordo com saudade
do tempo que amei e fui amado
quando não conhecia solidão
mas não a solidão de estar sozinho
minha solidão é de mim mesmo
desta sombra vagando a esmo
entre caminhos que lá se vão!

Alaor Tristante Júnior



Ilustração: foto do poeta nos primeiros meses de vida

3 comentários:

  1. Alaor, que lembranças mais lindas!
    Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Amigo poeta!
    Este me fez lembrar a teoria psicogênica da crença em Deus de Joseph Campbell, segundo a qual, na idade adulta, a fé em Deus presta-se à satisfação da necessidade infantil de um pai-todo-poderoso que possamos controlar para satisfação de nossas necessidades, inclusive do inarredável desejo de vida eterna! Ficou muito bom. Como diz o velho samba, todo menino é um rei.

    ResponderExcluir
  3. Bela foto, acho que todo mundo deveria ter uma foto dessas em preto e bco.

    ResponderExcluir